PESQUISA – Estudantes de Iniciação Científica de Enfermagem, Farmácia e Nutrição têm artigo científico aprovado para publicação em revista internacional

Pesquisadora Elaine Marqueze

Por meio do Programa de Iniciação Científica da UNISANTOS, estudantes dos cursos de Enfermagem, Farmácia e Nutrição, em parceria com doutorandos e pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Saúde Coletiva, tiveram artigo aprovado para publicação na revista Nutrition, periódico internacional Qualis B1 em Saúde Coletiva, Qualis A2 em Nutrição e Qualis A2 em Enfermagem.

 

O artigo é fruto da produção científica do Grupo de Estudos em Cronobiologia e Saúde (GECS), liderado pela professora doutora Elaine Cristina Marqueze, que é co-autora como pós-doutoranda. Como autora está a estudante de Enfermagem, Ananda Garrido e co-autoras também estão: Adriana Duarte (IC Fapesp – Enfermagem), Patrícia Santana (IC Voluntária – Farmácia), Gabriella Habib (IC Fapesp – Nutrição), Pollyanna Pellegrino (doutoranda em Saúde Coletiva) e Luciana Nogueira (doutoranda em Saúde Coletiva). Também colaboraram o professor doutor José Cipolla Neto (ICB-USP) e a professora doutora Cláudia Roberta de Castro Moreno (FS-USP).

 

ARTIGO – Com o título “Hábitos alimentares, sono e um proxy da dessincronização circadiana são correlacionados com as dislipidemias entre trabalhadoras noturnas com excesso de peso”, o trabalho teve como objetivo avaliar a relação entre um proxy da dessincronização circadiana, hábitos alimentares, características do sono e parâmetros dislipidêmicos (elevação do colesterol e triglicérides ou diminuição dos níveis de HDL. Para isso, foi realizado um ensaio clínico, a partir de amostra composta por 36 enfermeiras com excesso de peso, que trabalhavam em plantão noturno fixo (12hX36h). Com idade média de 39, 4 anos e duração média do sono noturno de 5,76 horas, “verificou-se que uma hora a menos de sono noturno aumentou os níveis de VLDL-colesterol em 2,75 mg / dl e os níveis de triglicerídeos em 3,62 mg / dl. Além disso, um jetlag social mais elevado foi associado a níveis mais elevados de LDL-colesterol”. Por outro lado, cada hora adicional no cronotipo aumentou os níveis de HDL-colesterol em 3,06 mg / dl e um intervalo de tempo maior que duas horas entre a última refeição e o início do sono foi associado a níveis mais elevados de HDL-colesterol”. A conclusão é de que “o sono noturno de curta duração e a elevada dessincronização social são fatores de risco para as dislipidemias, enquanto o cronotipo vespertino e o maior intervalo de tempo entre a última refeição e o início do sono parecem ser fatores de proteção para as dislipidemias”.