ALERTA – Docente do curso de Farmácia comenta pesquisa do Datafolha sobre a automedicação no Brasil

A pedido do Conselho Federal de Farmácia, o Datafolha fez uma pesquisa sobre automedicação no País. Divulgada na semana passada, ela revelou que nos últimos seis meses 77% dos brasileiros fizeram uso de medicamento sem a prescrição médica, sendo que 47% se automedica pelo menos uma vez por mês e 25% todo dia ou pelo menos uma vez por semana. O levantamento subsidiará uma campanha nacional de conscientização em comemoração ao Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos (5 de maio).

 

Para o coordenador do Centro de Informações sobre Medicamentos (CIM) da UNISANTOS, professor doutor Paulo Ângelo Lorandi, só a prevenção e a boa informação é que são os remédios para o combate à automedicação. Ele comenta sobre a importância de um trabalho educativo entre pacientes e profissionais da saúde, principalmente no momento atual, em que a crise no setor público e a concorrência entre as redes de farmácia agravam o problema. “Nós somos analfabetos funcionais em saúde”, alerta.

 

Lorandi destaca que a informação é o melhor remédio

EFICÁCIA DO MEDICAMENTO – Lorandi, que é graduado em Farmácia, mestre e doutor em educação, comenta que nem sempre as pessoas decodificam e se apropriam da informação que está na receita. Nem sempre fica claro para um idoso, por exemplo, como administrar o tratamento. Do outro lado, historicamente, os médicos desvalorizam as reações adversas por temerem que o paciente descontinue o tratamento. “Se você perguntar para as pessoas porque elas costumam deixar de tomar um medicamento, elas respondem: ‘Ah, é muita química, é muito forte’, porque elas não entendem o que é uma reação adversa”, justifica.

 

Docente do curso de Farmácia, o professor diz que nenhum medicamento é 100% seguro. A questão é dosar o risco e sua eficácia. Por exemplo, há medicamentos para problemas cardíacos que facilmente se tornam uma substância intoxicante. O mesmo ocorre quanto ao uso de antineoplásicos contra o câncer, que trazem uma série de reações adversas, mas prolongam o tempo de vida de quem passa pelo tratamento quimioterápico.

 

Outra questão levantada é em relação a falta de vínculo entre médico e paciente.  O docente aponta que como muitas vezes o mesmo doente pode ser acompanhado por profissionais de diferentes especialidades, é preciso alertar o médico sobre o que o outro já havia receitado. Neste caso, ele sugere que o farmacêutico colete todos esses dados e analise incompatibilidades entre os remédios prescritos e, assim, ofereça a informação mais adequada para aquele momento.

 

Para combater a automedicação, Lorandi sugere que as pessoas busquem boas fontes de leitura. Ele contribui para isso, pois mantém uma coluna semanal ”Bom Remédio”,  no Jornal da Orla.

Atendimento via chat
Atendimento via chat